A EVOLUÇÃO DE JARDINE

21 FEV 2018
21 de Fevereiro de 2018

 

Por: Daniel Salles

 

Nação Tricolor, precisamos analisar com muita calma a situação de André Jardine como técnico do time profissional do SPFC.

 

O treinador multicampeão por onde passou, no São Paulo desde 2015, acumula uma passagem vitoriosa pelas categorias de base do Tricolor.

 

Em 2018, tem utilizado um time pouco modificado, devido as promoções de jogadores como Marquinhos Cipriano, Brenner, Rony, Lucas Fernandes, Paulinho Bóia, entre outros para o time principal.

 

Mesmo com tantas alterações, o time sub-20 do São Paulo tem conseguido o que o time principal não consegue, ou seja, ser protagonista nas competições as quais disputa.

 

Se a principal função de Cotia é revelar e, se possível, conquistando títulos, Jardine está no caminho certo. 

 

Porém, a falta de títulos do time principal do São Paulo, faz grande parte da torcida pedir o treinador já no time profissional.

 

Um projeto de transição como esse, precisa de tempo. Jogadores precisam evoluir. Um jogo profissional não pode e nem deve ser comparado com os jogadores da base. Um “moleque” desses, pode ser queimado e engolido por medalhões no futebol.

 

Em minha opinião, Jardine deveria ser auxiliar técnico do São Paulo neste segundo semestre, junto com o Dorival Júnior, que tem contrato até o fim de 2018, assumindo o time com jogadores que já foram treinados por ele, sendo auxiliado pelos experientes já presentes no grupo.

 

O São Paulo protagonista, sempre precisa brigar por títulos, porém para consertar anos de gestões pífias, o imediatismo só irá atrapalhar este processo.

 

Acredito nesta nova diretoria de FUTEBOL do time, com Raí, Ricardo Rocha e Lugano, pessoas comprometidas com a instituição SPFC.

 

E você?

 

Saudações Tricolores,

 

Daniel Salles - @dlrsalles - @webtricolorfc – App TRICOLORFC – 21.02.18

Voltar