ROLAND GARROS – O FANTASMA DE DJOKOVIC

08 JUN 2015
08 de Junho de 2015


 

Por: Berenice Vidoca

O “fantasma de Rolanda Garros continua perseguindo o número um do ranking, Novak Djokovic, que seguirá sem um título em Paris, neste domingo, o sérvio nº acabou derrotado por Stan Wawrinka por 3 sets 1, com parciais de 4/6, 6/4, 6/3 e 6/4, sendo o 2º título do suíço entre os principais torneios do circuito; em 2014, ele conquistou o Australian Open, campanha na qual também passou pelo sérvio.

Apenas quatro jogadores, na Era Aberta do tennis conseguiram conquistar os quatro Grand Slams (Australian Open, Wimbledon, US Open e Roland Garros) ao longo da carreira: Rafael Nadal, Roger Federer, André Agassi e Rod Laver, com essa derrota, Djokovic perdeu mais uma vez a chance de entrar nesta seleta lista.

Wawrinka - que também venceu o torneio 10 anos atrás, no juvenil - batalhou até a sua primeira final de Roland Garros eliminando dois anfitriões, Simon e Tsonga, além do compatriota 2º colocado do ranking da ATP, Roger Federer, com esse título, o suíço de 30 anos chega ao seu segundo Major na carreira, depois de ter vencido em Melbourne no ano passado, e a um aproveitamento de 100% em finais de Grand Slam, já que esta também foi apenas sua segunda decisão.

Djoko, abusou demais de lobbys e deixadinhas que não funcionaram e perdeu a chance de completar sua coleção de Majors. Campeão cinco vezes do Australian Open (2008, 2011, 2012, 2013 e 2015), duas vezes em Wimbledon (2011 e 2014), e uma vez do US Open, em 2011, Djokovic é vice em Roland Garros pela terceira vez.

Após eliminar seu grande algoz, Rafael Nadal, nas quartas de final - o espanhol já havia vencido o sérvio nas decisões de 2012 e 2014 -, o 1º do ranking chegou para o duelo deste domingo com total favoritismo. Especialmente considerando o retrospecto entre os dois, que até então tinha 17 vitórias do sérvio e apenas 3 de Wawrinka, além disso, ele também contava com a torcida de um dos grandes nomes do torneio e justamente o responsável por entregar a taça de campeão: Gustavo Kuerten, em entrevista: "Não seria justo ele ficar sem esse título. Hoje ele só não tem esse título por causa do Nadal (risos), se ele jogasse em outra época ele já teria. Acho que tem muita gente que não é fanático por tênis torcendo por ele, porque com o nível que ele atingiu seria muito desonesto ele não levar um ‘troféuzinho' desse pra casa", disse o tricampeão.

Berenice Vidoca - @berevidoca - @webtricolorfc – 08.06.2015

 

Voltar